TcH_Agenda_i02.jpg

A MULHER NA COMUNIDADE PISCATÓRIA


01

UM MAR DE SAUDADE

PERFORMANCE


ÍLHAVO

08–10 AGO 2019 NAVIO-MUSEU SANTO ANDRÉ FESTIVAL DO BACALHAU


Projeto artístico que pretende enfatizar dois momentos marcantes nas viagens dos homens embarcados: as partidas e as chegadas. Envoltos em sentimentos opostos, estes momentos eram vividos intensamente pelos homens que partiam, mas também pelas suas famílias que ficavam no cais a vê-los partir e a aguardar o momento da chegada.

ENCENAÇÃO DE Graeme Pulleyn


02

MULHERES EM TERRA, HOMENS NO MAR

PERFORMANCE

ÍLHAVO

17–19 MAI 2019 MUSEU MARÍTIMO DE ÍLHAVO DIA INTERNACIONAL DOS MUSEUS


MURTOSA

31 JUL 2019 COMUR – MUSEU MUNICIPAL


PENICHE

31 MAI 2019 CIDADE DE PENICHE DIA NACIONAL DO PESCADOR

01 JUN 2019 IGREJA DO CONVENTO DE S. BERNARDINO DIA NACIONAL DO PESCADOR


Os pescadores que andavam à pesca do bacalhau passavam seis meses no mar. Enquanto isso as suas mulheres ficavam em casa, a governar... Esta performance criada por Maria Gil teve como ponto de partida a recolha de testemunhos de algumas dessas mulheres e suas famílias, e da pesquisa feita nos acervos documentais do Museu Marítimo de Ílhavo. Teve a sua estreia no NavioMuseu Santo André, inserida no Festival do Bacalhau, e será reposto no Museu Marítimo por altura do Dia Internacional dos Museus. Um espectáculo intimista e documental que dá voz às mulheres, contribuindo para a valorização do património imaterial desta comunidade, que terá ainda a sua extensão nos municípios da Murtosa e de Peniche.

criação Maria Gil

apoio dramatúrgico Miguel Bonneville

coprodução Museu Marítimo de Ílhavo

produção Vanda Cerejo, Cristina Correia, Teatro do Silêncio 


03

VOLTA AO CAIS EM (BICICLETA) PASTELEIRA

PERFORMANCE


ÍLHAVO

11 AGO 2018 FESTIVAL DO BACALHAU

MURTOSA

26 MAI 2019 PARQUE DA SALDIDA


As fainas do bacalhau atraíram muitos homens e mulheres ao cais de bacalhoeiros da Gafanha da Nazaré. Ao longo do ano, a paisagem deste lugar iase transformando ao ritmo de cada tarefa. Ao final do dia, quando a sirene tocava e dava por terminada mais uma jornada de trabalho, as ruas eram invadidas por gente nas suas bicicletas.

Num passeio único pelo meio das antigas secas e das empresas de bacalhau, pretendese recordar a ligação da comunidade local à bicicleta “pasteleira”, num percurso pelas ruas deste lugar, ao longo do qual ficarão a cargo várias performances da responsabilidade da associação cultural Quinto Palco. Mas nem só em Ílhavo existe a “pasteleira”. As ruas da Murtosa também ganharão vida com esta reconstituição histórica com base nas vivências da comunidade. 

dinamização Associação Quinto Palco